Os perigos escondidos no sistema de arrefecimento 

Muitas vezes há alguma falha oculta que vem aumentando de proporção e dependendo das condições de uso não chega a causar danos

16/11/2012 - 14:06min

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
img22871

Imagine a seguinte situação, seu cliente traz o caminhão com o motor travado após sofrer um superaquecimento causado pela perda do líquido de arrefecimento por uma mangueira estourada. Você faz o reparo do motor soluciona a suposta causa do problema e entrega o caminhão, mas algumas passagens de água do radiador estavam obstruídas por contaminação no sistema, mas durante os testes não apresentaram problemas. Então o seu cliente viaja para o norte do país completamente carregado e ao sol do meio dia numa subida, o sistema não dá conta e o motor trava novamente.

Essa é uma situação parecida com a presenciada na oficina Sampacar, de Reinaldo Gabia, que recebeu um Titan 18-310 com o motor recentemente retificado no Pará, porém um entupimento no radiador que não foi reparado causou o travamento de um dos cilindros novamente. Reinaldo afirmou que não é o primeiro caso desse tipo e nessa época do ano, quando a temperatura é mais alta, aumentam os problemas com arrefecimento.

Como o motor estava recém restaurado, foi possível intervir apenas no cilindro que teve o pistão literalmente derretido. A camisafoi para uma retífica e recebeu um novo brunimento, que Reinaldo diz não arriscar fazer na oficina. “É impossível acertar fazer os riscos a 45° com uma lixa e uma furadeira, não arrisco meu serviço nem o tempo do meu cliente”, afirma. O óleo foi contaminado com água que passou pelos vedadores da camisa, escorrendo para o cárter.

Muitas vezes há alguma falha oculta que vem aumentando de proporção e dependendo das condições de uso não chega a causar danos, mas algumas vezes, como a citada no exemplo, exigem que o sistema esteja 100%. Então como evitar surpresas e ter certeza de que está pronto para enfrentar as piores condições?

Mandar o radiador para uma empresa especializada revisar já elimina boa parte dos riscos, pois são nas pequenas galerias dele que se concentram gomas formadas por contaminação de óleo, aditivos de má qualidade, depósitos sólidos de sais minerais presentes na água e até mesmo o material do próprio motor que se desprende continuamente com a circulação de água. Enquanto são realizados os serviços no caminhão o radiador é revisado, assim não se perde tempo.

Mangueiras em mau estado também são um grande risco, pois se estourarem, o líquido de arrefecimento se perde completamente e dependendo da situação, o motorista pode não perceber e a temperatura no painel não será acusada, pois não há água no sensor, então o motor é seriamente danificado por uma peça relativamente barata. Mangueiras ressecadas ou com sinais de dilatação devem ser trocadas imediatamente, e caso o cliente recuse o serviço, é cabível que assine uma declaração assumindo a responsabilidade.

Também há falhas que não são possíveis detectar sem a desmontagem do motor, mas alguns sinais podem indicar que estão acontecendo, como a ferrugem excessiva no líquido de arrefecimento, a formação de depósitos no fundo do reservatório de expansão ou a presença de óleo na água podem denunciar o que está acontecendo dentro do motor. Uma falha muito comum é a corrosão por cavitação.

A cavitação é um fenômeno complexo mas que pode ser entendido como um dano causado em sistemas hidráulicos nas áreas de baixa pressão, onde se formam bolhas de ar. A temperatura em que a água evapora é relativa a pressão em que se encontra, portanto antes da bomba, onde a pressão cai, a água se evapora formando bolhas de ar. Este fenômeno provoca ondas de choque que causam erosão nas superfícies atingidas.

Repare que muitos veículos possuem uma mangueira que sai da bomba d’água e vai para o reservatório de expansão. A função desta mangueira é levar as bolhas de ar formadas nesta região para o reservatório onde irão se condensar. As camisas de cilindro estão exatamente nesta região, por isso costumam ser as mais danificadas por cavitação, chegando a fazer furos em casos mais avançados. A tampa do reservatório danificada, permitindo perda de pressão, também pode agravar este fenômeno.

É muito comum confundir cavitação e oxidação, mas é importante dizer que os dois fenômenos podem ser minimizados com o uso do aditivo recomendado pelo fabricante do motor na proporção correta, mesmo em motores mais antigos, vale a pena fazer uma pesquisa e identificar qual é o tipo ideal.

Quanto ao fato de a aplicação de aditivo ou limpeza do sistema retirar camadas de ferrugem que poderiam estar vedando algum furo, é bom lembrar que esta camada alguma hora irá sair, devido ao fluxo constante de água, basta saber se prefere que isto aconteça na oficina ou durante uma longa viagem em uma região desconhecida. Mas também não é preciso assumir o risco, o ideal é explicar claramente ao cliente o que este serviço pode acarretar.

Alguns motores utilizam um filtro que libera continuamente agentes inibidores de corrosão na água, mas muitos reparadores não conhecem ou ignoram a existência, “já vi casos em que o filtro caiu de tão enferrujado que estava, pois nunca havia sido substituído”, explica Reinaldo. Podemos ver então que o segredo do sistema de arrefecimento está na manutenção preventiva criteriosa, pois a corretiva não costuma sair barato.

Fonte: www.oficinabrasil.com.br

Tags:

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
*Os comentários dos usuários não representam a opinião da APS Distribuidora, a responsabilidade é integralmente do autor da mensagem.

Deixe um comentário

Abrir chat
1
Chame no WhatsApp!
Olá 👋
Como podemos ajudar?