Governo também beneficia caminhões com financiamento

Taxa de juros passam de 5,5% para 2,5% ao ano no PSI e no Procaminhoneiro

31/08/2012 - 16:27min

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin

img22251

O governo ouviu os apelos das montadoras de caminhões: uma das medidas mais expressivas dentro do pacote anunciado nesta quarta-feira, 29, pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, que inclui a prorrogação do IPI menor para automóveis (leia aqui), está a redução da taxa de juros de linhas do BNDES para o financiamento para caminhões por meio do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), que já estava em seu menor nível. A taxa passa dos atuais 5,5% ao ano para 2,5% ao ano a partir do sábado, 1º de setembro, e vale até 31 de dezembro deste ano. O prazo total para o financiamento foi mantido em 120 meses com um ano de carência.

A taxa de juros também caiu na mesma proporção para o Procaminhoneiro, programa que contempla empresas de pequeno porte ou autônomos. Já para ônibus, incluindo híbridos, o governo manteve a taxa de juros em 5,5%, mas esticou sua vigência de 31 de agosto para 31 de dezembro.

A princípio, as medidas anunciadas devem causar efeito não muito positivo para o mercado de caminhões, pelo menos neste mês. A exemplo do que aconteceu no fim de maio, os contratos deverão ser reprocessados para que sejam incluídos nas novas taxas, o que demanda tempo até o faturamento efetivo dos veículos.

Segundo Mantega, o PSI, criado em 2009, desembolsou até o momento R$ 149 bilhões dos R$ 227 bilhões disponíveis para o Programa (dados de julho 2012).

O pacote de benefícios para caminhões inclui ainda a depreciação acelerada para compras até 31 de dezembro, que possibilita a redução do cálculo do imposto de renda e da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL). A medida acelera a depreciação aplicando o dobro do porcentual normal da depreciação, hoje em 25%, reduzindo de 48 meses para 12 meses. A medida também é válida para vagões.

Na prática, significa que as compras de caminhões e vagões entre 1º de setembro de 2012 e 31 de dezembro de 2012 terão depreciação já em 2013 e não mais em 48 meses. O ministro informa que o impacto desta medida será de R$ 586,04 milhões em 2013 e que ela será publicada como medida provisória (MP) até sexta-feira, 31.

BENS DE CAPITAL

Dentre as ações, o governo também reduziu de 5,5% para 2,5% ao ano a taxa de financiamento para máquinas e equipamentos adquiridos via Finame BNDES. O prazo de vigência foi prorrogado, de 31 de agosto para 31 de dezembro.

“É a melhor taxa já conferida para o setor de máquinas, que poderão ser adquiridas por todo o sistema produtivo, desde agrícola até indústria”, disse.

O setor também ganhou nova linha de financiamento no valor de R$ 1 bilhão para refinanciar bens de capital usados, que inclui equipamentos, máquinas, tratores, carretas, cavalos mecânicos e até aeronaves. A linha será regida pelo BNDES pela Taxa de Juros a Longo Prazo (TJLP).

O governo calcula que a redução da taxa de juros para o setor de bens de consumo signifique renúncia fiscal de R$ 1,1 bilhão. No total, somando todas os itens, incluindo a prorrogação do IPI para automóveis, a renúncia fiscal somará R$ 1,6 bilhão em 2012 e R$ 3,9 bilhões em 2013, segundo Mantega.

Fonte: www.automotivebusiness.com.br

Tags:

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
*Os comentários dos usuários não representam a opinião da APS Distribuidora, a responsabilidade é integralmente do autor da mensagem.

Deixe um comentário

Abrir chat
1
Chame no WhatsApp!
Olá 👋
Como podemos ajudar?