GM põe R$ 6,5 bi no País. Revelamos como o dinheiro será gasto 

R$ 2 bi serão injetados em uma nova família de compactos, que inclui um SUV, um sedã e um hatch

20/08/2014 - 18:35min

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
img26125

A General Motors acaba de anunciar em Brasília investimento de R$ 6,5 bilhões no País a serem gastos entre 2014 a 2018. No comunicado, a empresa diz que o aporte será destinado ao desenvolvimento de novos produtos e tecnologias e na formação de empregados, além da ampliação do índice de localização de componentes.

“Este investimento permitirá à marca Chevrolet continuar a renovação de sua linha de automóveis com foco em tecnologia e qualidade. Outro grande propósito deste aporte é o de elevar o percentual de nacionalização dos componentes dos carros feitos no Brasil, numa ação que envolverá também fornecedores instalados no país”, explicou Jaime Ardila, presidente da General Motors América do Sul. Ardila e a presidente mundial da GM, Mary Barra, apresentaram o plano a presidente Dilma Rousseff nesta manhã.

O que eles não falam abertamente Car and Driver descobriu nos bastidores.

img26127

TRÊS MODELOS
Boa parte do plano bilionário será gasto no desenvolvimento de uma nova família de carros compactos. Será o projeto mais grandioso e ambicioso da Chevrolet na década. Ao todo, R$ 2 bilhões serão injetados na criação dos modelos que em três anos irão aposentar os atuais Celta e Classic. “Já está decidido que haverá um hatch e um sedã compacto”, antecipa uma fonte que deixa escapar que a marca trabalha na hipótese de produzir um SUV compacto sobre a mesma plataforma. “O brasileiro demonstra interesse pelos SUV’s pequenos, como mostram nossas pesquisas.” O modelo será baseado no conceito Adra, mostrado este ano no Salão de Nova Déli, na Índia.

img26129

O futuro compacto ainda não tem nome definido, nem apelido. Chegaram a cogitar Projeto Jade e Projeto Âmbar, mas fontes ligadas à marca negam a existência de tais nomes. “Na fase de desenvolvimento, usamos nomes variados junto aos fornecedores para despistar vocês, jornalistas.” Mas informações vazam. Como, por exemplo, a de que o futuro compacto (e sua família) usarão uma plataforma inédita, com volume de produção estimado de 1,2 milhão de veículos em todo o mundo . “Garanto que não será a do Onix. O Onix é o carro mais barato que conseguimos fazer sobre essa arquitetura”, explica outro informante. Está aqui, a propósito, o principal desafio da engenharia da Chevrolet neste projeto. Criar uma arquitetura moderna e boa o bastante – mas barata. Para isso a empresa reforçou o time. Hoje, são 2.000 engenheiros e 600 pessoas trabalhando no Centro de Design da marca no País. “Foi a força dessa equipe que credenciou o Brasil a liderar o projeto”, diz uma fonte. “O Brasil, aliás, foi escolhido pela matriz como líder de desenvolvimento de todos os carros para países emergentes. “Ao contrário dos atuais Classic e Celta, os futuros compactos serão vendidos (e fabricados) em outros mercados fora da América do Sul, como China, Índia e Rússia.”

img26131

CARRO COMPLETO
O carro que ilustra essas páginas é a nova geração do Chevrolet Spark, vendido em quase todo o mundo, inclusive Europa, EUA e Ásia. E ele dá boa pista de como será o futuro compacto nacional. “É claro que já fizemos estudos sobre a produção do Spark no Brasil. Mas ele tem custo alto de produção, o que o deixaria com preço pouco competitivo. Além disso, ele é o que chamamos de city car, ou seja, muito pequeno para o que o brasileiro espera de um compacto”, explica uma fonte. Que vai além: “As más vendas do Volkswagen Up mostram mais uma vez que city car no Brasil não funciona.” A estratégia da Chevrolet com o futuro compacto é oposta – e mais próxima, digamos, ao da Renault e seu Sandero. “Faremos o maior carro possível com esse preço e essa nova arquitetura. Bom espaço (para passageiros e bagagem) é fator determinante de compra.”

O preço também é importante: a estratégia vem sendo montada para o carro custar menos de R$ 30 mil. E as fontes não escondem que aí está o principal nó do projeto. “Por conta da inclusão do airbag e ABS [exigências na nova legislação], as fábricas tiveram que depenar os carros. Mas não adianta, o brasileiro quer ar e direção ao invés de air bag e ABS. Portanto, o carro tem que ser completo. E isso dificulta ainda mais as contas fecharem.” A boa aceitação do sistema multimídia MyLink – presente em 80% das unidades vendidas do Onix – reforça a percepção da marca que o brasileiro quer um carro completo, mas com preço capaz de ser pago mesmo em um financiamento a longo prazo.

img26133

PADRÃO DE DESIGN
A importância do novo Spark para o compacto nacional é que ele exibe a próxima identidade visual da Chevrolet. Ou seja, antecipa, em boa medida, as linhas do futuro modelo brasileiro. Retorne à página anterior e veja que a novidade aposenta a grade dianteira bipartida com o logotipo da marca no centro, padrão usado em todos os carros da Chevrolet na última década. “A moda é outra. Com linhas marcantes, mas ao mesmo tempo elegantes”, diz uma fonte ligada à área. “Sim, adotaremos o mesmo padrão em todos os carros”, antecipa. “No entanto, cada carro e cada mercado terá suas particularidades. Mas é importante que o consumidor identifique um Chevrolet logo de cara.”

O novo padrão de design é marcado por uma fina entrada de ar dianteira, com o logotipo no meio, em contraposição à enorme entrada de ar no para-choque de formato hexagonal. Os faróis ficarão mais afilados, enquanto a lateral contará com dois, às vezes, três vincos para reforçar a sensação de movimento.

Diferente da concorrência, a GM brasileira não planeja um motor de três-cilindros para seus carros de entrada. As fontes não confirmam, mas o valor alto de desenvolvimento (e a necessidade de segurar os custos para o carro não ultrapassar os R$ 30 mil) são o motivo de tal decisão. “Há outras maneiras mais inteligentes e eficientes para atingirmos às normas de consumo e emissão impostas pelo Inovar-Auto”, explica um interlocutor. Quem apostar numa nova geração de câmbio – tanto manual como automático – com mais marchas tem chance de acertar. “Hoje, o Onix já é o carro mais vendido no País sem contar as compras de locadoras, algo que estamos fora por conta do baixo retorno. O sucesso se repetirá com o novo compacto”, diz, otimista, uma fonte. “Vamos apresentar um compacto sem igual no segmento: bonito, espaçoso e econômico.” Os próximos cinco anos começam agora.

Fonte: www.caranddriverbrasil.uol.com.br

Tags:

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
*Os comentários dos usuários não representam a opinião da APS Distribuidora, a responsabilidade é integralmente do autor da mensagem.

Deixe um comentário

Abrir chat
1
Chame no WhatsApp!
Olá 👋
Como podemos ajudar?